2006-09-23

Cântico Negro!


Era enorme o salão.
As portas de todos os quartos abriam para aquela grande sala.
Uma mesa ao centro e vários sofás compunham a mobília.
Ela subia para um dos sofás:

"Vem por aqui! - dizem-me alguns com olhos doces
Estendendo -me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem . Vem por aqui!"

Atravessando o salão, as colegas alunas como ela do Magistério Primário em Évora, encolhiam os ombros abanavam a cabeça e murmuravam : Pirou de vez!...
Indiferente a este comentário, mais carinhoso do que reprovativo ela continuava:

"Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos..."

E passava horas declamando poemas; este e outros.
E era como se o Mundo todo atravessasse aquele salão.
Uns, seguindo por aqui.
Outros, seguindo por ali.
E ela:

"Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!"

Tinha vinte e poucos anos.
Chamava- se Carolina.

(Memórias de Évora com excertos do poema Cântico Negro de José Régio.
Lar de S. José. Rua das Fontes.
No alto o Jardim Diana.
Década de 70.)




2 comentários:

Sara (la niña) disse...

Conte mais, Tia Carolina... Conte mais! E depois? Como foi? O que aconteceu? Conte...
Beijinhos!

Carolina disse...

E depois:
"Não, não vou por aí!Só vou por onde me levam meus próprios passos..."

Irei contando aos poucos!
bjs