2008-02-16

Nunca digas....


Nunca digas que "desta água não beberás"...
Chamava-se Maria da Conceição Salema e era minha avó (mãe da minha mãe). Também lhe chamavam, Senhora Maria ou Ti Maria Barbeira, (isto porque um tio dela tinha sido barbeiro e assim, tanto ela, como os irmãos e até sobrinhos, herdaram este "cognome"Barbeiros).
Felizmente que a minha geração se "safou", caso contrário eu seria "Maria Carolina Barbeira..."
Como fui "criada" com a minha avó (e ela era viúva), até aos 12, 13 anos dormíamos no mesmo quarto.
Coisas que me surpreendiam: A minha avó, passava a noite a acender a luz para ver que horas eram. Eu resmungava e ela respondia: - Gosto de acender a luz para ver quantas horas já dormi!
Outra coisa que me intrigava era: Como conseguia ela respirar se dormia de cabeça tapada??? (Um dia "acordará morta" pensava eu...)
Pois saibam:
Eu agora durmo com um xaile em cima da cabeça ( deve ser para aquecer os pensamentos...)
Eu agora, de noite, acendo a luz duas ou três vezes para saber quantas horas já dormi!...
A minha avó deve saber disto e anda lá por cima a rir-se. Ela sempre dizia: Quando eu morrer quero ver como serão vocês na minha idade (morreu com 100 anos e 3 meses).
Certamente que os anjos andarão estremunhados de tanto a verem acender e apagar as estrelas para ver as "celestiais" horas...
E tapará a cabeça com alguma nuvem mais fofinha que por lá apanhe.
E se por acaso estiver com insónias, (a minha avó dizia sempre que nunca dormia) aqui lhe deixo a voz da sua bisneta AnaLúcia, para se entreter enquando vai por aí costurando os seus tapetes, almofadas e talegos feitos de quadradinhos de tecido, astisticamente dispostos!...
E tal como fazia cá na Terra, parece que anda por lá a vendê-los a tudo quanto é Santo, Anjo ou Arcanjo.

7 comentários:

Maria José Senos disse...

Linda história vamos buscar coisas de várias pessoas, a gente quando é nova não pensa muito e vamos fazer a mesma coisa, como a nossa família fazia, ela está olhar por ti, um beijo.

Teresinha disse...

Conclusão: Aquecer, a cabecinha é que dá longevidade!
Achava eu que, era precisamente o contrário.
Que, manter a cabeça fresca é que era bom.
Não é!!!
E esta?!...
Descobri também Carolina porque é que essa tua cabecinha, (tão protegida, afinal), funciona naturalmente ordenada!
Olha eu, não me safo.
Detesto mesmo dormir de, cabeça tapada...
;)

Ana disse...

Olha amiga, fartei-me de rir com a tua histórinha verdadeira.
Nunca digas nunca !
Pois mais tarde vamos cair que nem patinhos, eu tenho cá dessas !!!
Era terrível, tudo me fazia confusão e agora ás vezes tenho coisas que me fazem lembrar os ábitos dos meus avós,bjhs :)

lami disse...

Nunca digas nunca!E o povo diz "filho és pai serás, como vires fazer assim farás",
e pelos vistos "neta és, avó serás..." :))

António Gil disse...

Mais uma divertidíssima história verídica da nossa Carolina. Parabéns, Amiga, continua a colocar no papel essas recordações. E quando elas forem muitas, publica um livro; juro que te compro dois: um para ler e outro para guardar e usar quando o primeiro estiver todo puidinho do uso.

Maria disse...

Querida Carolina:

Assim é, tb lá chegamos.
Pensei que podemos oferecer um barretinho à Carolina, não acham?
Beijinhos
Bia dos Santos

Carolina disse...

Pois venha de lá o barretinho, amiga Bia!
E vocês outras amigas confessem que ñ tapa a cabeça para não estragarem os "bandós"!...
E o amigo Gil... até ficar puidinho?... mas que exagero.
Mas... vou pensar na tal publicação. Penso até que já tenho material suficiente!