2008-09-24

Naquele tempo...


Quase todos os dias "uma menina carteira", toma o pequeno almoço no cafezinho da minha rua. Entra, senta-se e degusta com toda a calma o seu "matabicho". A malinha do correio fica "estacionada" na rua à porta do estabelecimento. Parece-me não haver problema. Todos passam e não ligam. Cartas? Para quê? Ninguém, penso eu, se lembrou de "roubar" nada daquela malinha. E isso traria certamente problemas "ao roubado" e à Menina (uma simpatia, por sinal) que calma e descuidadamente come na mesinha do café.
Naquele tempo, não era assim.
O carteiro apertava cuidadosamente a sua mala de tiracolo, não fosse perder-se algum envelope.
Ele era esperado ansiosamente. Quem sabe, ele não traria a tão esperada carta do marido, filho, ou namorado?...
Naquele tempo (lá muito para trás...), a Élia, minha colega no colégio, arranjara um namorico, às escondidas dos pais. Por isso as cartas vinham para a minha casa.
E então tínhamos "um combinado". Todos os dias, à mesma hora, ela assomava na sua janela e eu subia ao meu terraço. Se havia carta para ela eu acenava com um grande lenço branco e ela vinha.
A leitura das cartas também é digna de relato.
Ela lia "as linhas" e pedia-me que lesse nas "entrelinhas"... E aí, eu punha a minha "fértil imaginação" a trabalhar e a Élia ia ficando cada vez mais apaixonada, não tanto por aquilo que ELE escrevia mas, muito mais por aquilo que eu ia inventando ,"esclarecendo-a" que, se não estava lá escrito é porque ele não teria tido coragem de dizer, ou então não teria tido capacidade de se exprimir...
Grande "lata"!...
...
( Não vejo a Élia faz muitos anos. Sei que mora em Setúbal. Hoje ao ver a "menina carteira" tomando o seu pequeno almoço lembrei-me desta história de juventude e maluqueira saudável!
Refiro ainda que as nossas casas eram muito distantes uma da outra, mas ela lá de longe avistava o meu lenço a acenar com sinais de "boas novas"!
NAQUELE TEMPO, o Carteiro era uma pessoa muito esperada.
Agora... quem quer saber dele?
Os telefones, telemóveis e e-mails, fazem dele (podem acreditar) um ser em vias de extinção...)

23 comentários:

Ana disse...

Minha amiga, gostei de ler tudo o que escreves-tes !!! Fizes-tes recordar velhos tempos, todas eramos assim, pois naquele tempo tudo se tinha que esconder, quando os pais não gostavam, sobre esssa rapariga, eu conheço é de Santo André, eu já a vi fazer tudo isso a mala fica na rua, por vezes aberta ! Mas como dizes amiga quem quer cartas ...
Bjhs para ti.

Carolina disse...

Pois, talvez venha de Santo André e faz serviço aqui.
Mas, é tão simpática que tu se lhe perdoa!...
Espero que não venha a ter problemas!
;)

Banalidades disse...

Pois é! Que nostalgia a das cartas que ansiávamos e que devorávamos numa delícia total. Era assim que comunicávamos com a família, com os amigos, com os namorados... Eu escrevia muitas cartas e recebia em igual porporção! Adorava estar à janela, esperando o carteiro com a sua mala de cabedal sempre pesada e preciosa que ele nunca deixava ao acaso porque, ali, havia tanto da vida de cada um!
Os tempos mudaram e cá estou eu a escrever, a comunicar, não por cartas, mas assim, "postando" um comentário. Será emocionante? Sim. Sei que o é porque eu também vibro de satisfação quando descubro que alguém foi até ao meu blog e lá deixou uma palavrinha. Modernices, mas igualmente saborosas!

Gostei muito das tuas recordações, da tua historieta, da evocação, merecida, aos carteiros de outros tempos, quando ainda se usava dar os bons dias e perguntar:
"Então, tem carta para mim?"

Maria disse...

Bom Dia Carolina:
Adorei a história, nós esperávamos todos os dias com ansiedade o correio, quanto a mim quando apareciam umas cartinhas aos quadradinhos era uma alegria.
Quanto à Élia, vivia em Santiago ali para os lados do Largo dos Barrosos?
Se é tb conheço mais essa.
Beijinhos

Teresinha disse...

Ela vai aparecer Carolina.
Tenho quase a certeza!
Ou não seja este um meio de comunicação tão acessível e rápido!!!
Já resultou uma vez, lembras-te?!...
Vou confessar-te uma coisa. Tenho saudades de escrever cartas à mão.
Vou começar com um postal. HOJE!
Kiss

Anónimo disse...

Gosto de tudo o que escreve mas hoje,DIA25 de SETEMBRO escrevo para lhe dar os PARABENS !Como sou crente peço que DEUS a abençoe com longa vida , saude e muito ,muito AMOR! (que receba e dê) um abraço da maria adelina

Carolina disse...

Era mesmo essa Élia a que morava perto do Largo do Barroso. Élia Fortuna. Se alguém que venha a este blog souber do seu endereço agradeço que me dê o contacto.
à Bia dos Santos nada escapa...conhece toda a gente!
bjhs

Carolina disse...

Mª Adelina obrigada!
Mas... é a Adelina Fragoso?
Fico sempre na duvida.
BJHS

Anónimo disse...

Alô miga! Tamos bem? Com que então alcoviteira nos nossos velhos tempos!!!! Malandreca! Acho que tenho o contacto da Élia mas não sei bem onde mas quem to pode dar é a Dores (Amado). O meu telefone fixo desprogramou-se e eu perdi todos os contactos, mas podes ter a certeza que to vou conseguir.Como vai a sobrinha mais talentosa do mundo? Muito cansada?Beijos grandes e até amanhã que estou a morrer de sono!!!!Xum

arlete disse...

Gosto de cartas, bilhetinhos, enfim de Mukandas...gosto dos desenhos das vizinhinhas na cx do correio,respondo a todos. tenho uma prima que me escreve, outra manda postais e há os mails, saõ mukanda,não é?penduro pela casa os postais de Natal,de aniversários..palavras,muitas.não me lembro muito dos carteiros(as)ainda bem que há quem observe,conte...eu leio e oiço...ela disse que sim!fim de contos de amor.kandandu

arlete disse...

Gosto de cartas, bilhetinhos, enfim de Mukandas...gosto dos desenhos das vizinhinhas na cx do correio,respondo a todos. tenho uma prima que me escreve, outra manda postais e há os mails, saõ mukanda,não é?penduro pela casa os postais de Natal,de aniversários..palavras,muitas.não me lembro muito dos carteiros(as)ainda bem que há quem observe,conte...eu leio e oiço...ela disse que sim!fim de contos de amor.kandandu

arlete disse...

kandandu. estou burrinha de todo,não sei o que faço para aparecer o comentário mais que uma vez não sei apagá-lo. trapalhices...disordine

Carolina disse...

Xum: Outro dia a Dores telefonou-me mas não tenho o nº dela.
Seria giro se a Élia lesse isto. Talvez a Beta Lagartinho saiba mas, também ñ sei como contactar.
Havia um livrinho com os nossos telefonesmas...onde andará ele????
bjhs

Carolina disse...

Arlete, não te incomodes. Comentários a dobrar têm mais encanto!
Kandandu!!!!
A tua casa deve ser uma espécie de mostruário, com tanta coisa pendurada!....
;)))

Maria disse...

Querida Carolina:
Dou uma Dica, se a Beta Lagartinho(tb conheço ,pois claro) sabe, talvez se possa contactar através da Dulce Rito.
Agora lembrei-me dos colegas que organizam o almoço do dia do colégio talvez por aí seja fácil.
Beijinhos
Bia dos Santos

Anónimo disse...

Carolina
Venho a ler os teus "escritos" e estou encantada...
A forma como escreves, a "simplicidde profunda" dos temas que escolhes revelam uma pessoa com um domínio de escrita e uma sensibilidades incríveis.
nota-se também o carinho dos que habitualmente te comentam, fazendo deste espaço uma acolhedora "sala de convívio".
Gostei muito e fiquei cliente.
beijos
juja

Anónimo disse...

Carolina
Venho a ler os teus "escritos" e estou encantada...
A forma como escreves, a "simplicidde profunda" dos temas que escolhes revelam uma pessoa com um domínio de escrita e uma sensibilidades incríveis.
nota-se também o carinho dos que habitualmente te comentam, fazendo deste espaço uma acolhedora "sala de convívio".
Gostei muito e fiquei cliente.
beijos
juja

Anónimo disse...

Não estou muito habituada a estas coisas e não sei como tripliquei a dose.
Desculpa lá o mau geito.
juja

Carolina disse...

Olá Bia dos Santos, vamos ver se o endereço da Élia aparece.
Pois a Malta do almoço deve saber!
bhs

Carolina disse...

Pois é Juja, até já se deram aqui encontros de pessoas que não sabiam umas das outra há anos!
Isto é como um carreiro de formigas...umas para cá outras para lá... e de vez em quando dão de "caras" umas com as outras!
Não te importos com os comentários em duplicado. Isso acontece.
Deves ter carregado duas vezes no "publicar"!
bjhs e cá te espero....
Bom espectáculo amanhã!
Vais conhecer uma BELA MOÇA!
;))))(Tia babada!)

lami disse...

Naquele tempo eu também esperava ansiosamente o carteiro... Tempos de Amor em Tempo de Guerra:)

Anónimo disse...

"naquele tempo..."

Que saudades do carteiro,
de quando o via de volta
e com um gesto certeiro,
por baixo da minha porta,
punha a carta a deslizar,
nos ladrilhos do corredor.
Eram, os amigos a falar.
Eram os segredos de amor.
Carta a ir… Carta a chegar,
nessa minha mocidade.
Ontem, momento a esperar.
Hoje, imagem de saudade.


Surgiu-me a propósito do carteiro e dos velhos tempos.
beijinho
Juja

Carolina disse...

Confirma-se: SOMOS UM PAÍS DE POETAS!
Lindo!...
;))))