2009-01-04

A pedido...e um pouco fora de horas...


CONTO DE NATAL
(Esta história passa-se no ano de 2004, no mês de Dezembro.
Qualquer semelhança com personagens ou factos reais é pura coincidência.)

A Rena Namoradeira

Chegara o mês de Dezembro e o Pai Natal, aflito, jogava as mãos ao pompom do seu barrete vermelho e lamentava-se:
- O que farei meu Deus?
Aproxima- se o Natal, tempo de organizar os presentes e aquela Rena só me aparece de fugida, sempre apressada.
Mal tem tempo de para me ajudar a carregar o trenó e a colocar as etiquetas nas prendinhas…
Uma Rena tão competente e aplicada, que me ajudava sempre com tanto entusiasmo!
Agora, desde que se inscrevera na ASAS e frequentava as aulas de informática, passara- se do juízo!
Aprendera a mexer nas teclas e passava os serões “ na paquera”com um veado esbelto e luzidio de belas hastes floridas, que vivia lá para os lados da Islândia.
Bem que o Pai Natal, homem vivido e experiente a avisava:
- Tu tem cuidado, Silvina (era assim que se chamava a Rena da nossa história).
Tu tem cuidado! Nunca se sabe!!...
Será mesmo um veado florido, ou um bicho gordo e de hastes ressequidas???
A Rena, dava aos cascos e não ligava aos assisados avisos do velhote.
E o mês de Dezembro passava, sem que a Silvina tivesse a devida concentração para ajudar com calma, o Pai Natal.
Mas, enfim… chegou a noite de 24 e lá partiram os dois rumo à Terra com o trenó carregado.
Fizeram a distribuição como era costume e regressaram já pela manhãzinha.
Com sempre fazia, o Pai Natal, cansado, sentava- se no cadeirão com os pés de molho numa bacia de água quentinha, e ligava a televisão para ver as novidades na Terra e saber se tudo tinha corrido bem.
Mas, ai dele! A grande notícia dos telejornais era:
GRANDE CONFUSÃO COM OS PRESENTES DE NATAL!
ESTARÁ O PAI NATAL ESCLEROSADO??? (Esmeravam- se os locutores,dos vários canais televisivos).
É que nos abençoados lares terrenos havia espanto e riso!
Os avôs, receberam no seu sapatinho, uma camisa de dormir cor- de- rosa e arrendada.
As avós, um par de patins e uma consola.
Os pais, um baton Chanel e vários cremes anti-rugas.
As mães, um cachimbo e dois pacotes de tabaco
E houve até muitos bebés que receberam dois bilhetes de avião para irem passar 8 dias a Cancun com as respectivas namoradas, ou namorados.
Ao ouvir aquilo, o Pai Natal, jogou de novo as mãos ao pompom e gritou para a rena Silvina que paquerava com o seu veado:
-Trocaste as etiquetas dos presentes e agora todos pensam que estou maluco!
Responde-lhe ela:
-Estou farta de o aturar! Vou antes para a Patagónia com o meu veado florido! Ele recebeu uma proposta e vai dirigir na Terra do Fogo, um hotel de luxo para pinguins endinheirados.
Para o ano, amanhe-se sozinho!
(Bateu de novo com os cascos e raspou-se, deixando o Pai Natal a coçar o pompom.)
Meus Amigos, aproxima-se o Natal de "2009" e se em vez de guizos (à meia noite) ouvirem um barulho mais familiar, não estranhem, é que, o Pai Natal dispensou o barrete ( com o respectivo pompom), comprou um capacete com um luzinha vermelha a piscar no alto e encomendou pela Internet uma MOTO4!
E pronto!
Eu que sou de bom contento, desejo muitas felicidades à Rena Silvina e ao seu veado florido.
E, quanto a presentes, desde que o Pai Natal me deixe no sapatinho “uma barrinha de endereços” e “dois ou três motores de busca”, já me dou por satisfeita!!
PARA VOCÊS UM BOM NATAL!
(Mesmo que os presentes vos cheguem todos trocados)
......
Asas/Dezembro de 2005-12-20
Conto saído desta cabecinha "inventona": Carolina
( Repito, foi um pedido da Teresinha que não quis deixar de atender, apesar de o Natal já ter passado.)

16 comentários:

Teresinha disse...

É que, eu só vi a Rena, no dia 27/12/2008!!!...
Agora, a menina Carol, levou tanto tempo a desembrulhar os presentes, que entretanto o tempo passou, o Natal 2008 também passou e, já estamos em 2009!!!
Entretanto, a Rena continua aqui!
P'ra já, vou empacotá-la...!
(é que essa tua historinha é tão engraçada que foi pena eu não me ter lembrado mais cedo de te pedir para a publicares)
Mas, aí está ela!
Obrigada Carolina
;))

Carolina disse...

Um pedido seu é uma ordem e além disso, não dizem que Natal é sempre que nós quisermos???
Aqui fica o conto registado no blog. Até foi boa ideia porque no ano em que o escrevi não o postei!
Quem tiver paciência que o leia.
;)

dulce do carmo disse...

hello:não percebi a quem se deve tão bela versão da história das prendas e do Pai Natal,mas não deixa de ser interessante.Eu gostei muito, acho mesmo que é urgente desmistificar a história das prendas e do consumismo que gira à volta da "prendinha no sapatinho",que era uma demonstração de carinho e não do poder de compra de cada um.parabens à autora.

Maria José Senos disse...

É verdade Carolina o Natal é todos os dias, lindo conto gostei muito um grande beijo, a Rena é muito bonita.

Jelico Pedrês disse...

Tens razão Carolina!
O Natal é todos os dias!
- Se não o tinhas ainda publicado, então foi uma "rica ideia"!
Beijinhos para a autora.
Muitos!!!
;))))
(podes tirar a "Teresinha" do título? e fica:
"A pedido e um pouco fora de horas"...
Tira lá Carol!
Está mencionado no fim em letrinhas peq. Chega!)
Está bem? Obrigada.

lami disse...

Esta Rena dá que falar!
Namoradeira, atrevida e rebelde a Silvina continua a fazer das suas!
Este ano ninguém teve noticias dela, será que ficou "esturricada" lá na Terra do Fogo? Ou com a crise os "pinguins endinheirados" andam meio encolhidos?
Vá-se lá saber!

Carolina disse...

Dulce, a quem se deve esta versão da história?
Ora, não dá para ver que é aqui desta tua amiga "parvalhona" (como tu às vezes dizes e eu me farto de rir!)?
bjhs

Carolina disse...

Teresinha, já tirei...
Bjhs

Carolina disse...

Cá para mim, penso que levou com algum iceberg na tola! Coitada!
bjhs para ti e para ela ande lá por onde andar...

O céu da Céu disse...

Continuo a deliciar-me com as tuas histórias...esta que já conhecia há dois ou três natais ainda me deixa a rir e vou enviá-la às minhas netas.Bjs

Teresinha disse...

Está melhor assim.
Obrigada Carol!
;-)

juja disse...

Oi Carolina!
Acho que ainda não nos tínhamos “encontrado” neste novo ano, pelo que aproveito para te desejar que o “dito” te traga muitas coisas boas. Tudo aquilo que desejares.
Gostei muito da tua “Rena Namoradeira”, uma ideia e uma escrita com muito espírito. Foi bom, só ma dares a conhecer depois do Natal. Pois ficaria a pensar que podia vir a receber presentes destinados às netas das minhas amigas… Felizmente que não foi ela que etiquetou os meus presentes.
beijinhos

Banalidades disse...

Que rena atrevida, a tua Silvina!
Que história bem humorada! Parabéns pelo teu bom espírito! Obrigada por me teres feito sorrir já no início deste ano novo! Gostei muito desta pequena história e aconselho-te a continuar ... Vais ter sucesso! Já tens sucesso! Jinho grande

Flor disse...

YOU SEE, CAROL!!!.....
I TOLD YOU!
;-)

Anónimo disse...

Hum ... agora estou a perceber porque é que este Natal de 2008 esteve "fraco" de prendas. Eu realmente na madrugada de dia 25 Dez, ouvi um série de guizos e escalhos pararem á porta do vizinho da frente !... Não querem então lá ver então que a dita "silvina" além de vir atrasada deixou a minha carga no endereço ao lado!...
No próximo Dez vou ficar á "cóca" e se por acaso alguém conhece o endereço e-mail do "Velhote de barbas" (supostamente benfiquista), favor informar
Cump
JP

Carolina disse...

Vamos pensar em rectificar o erro...